terça-feira, 23 de setembro de 2014

Poema


"Horas
horas sem fim, pesadas, fundas,
esperarei por ti
até que todas as coisas sejam mudas

Até que uma pedra irrompa e floresça

Até que um pássaro me saia da garganta e no silencio desapareça"

Eugénio de Andrade


Sem comentários:

Enviar um comentário